Primeira-dama no Piauí é encontrada morta em casa - Portal RV

Cidades

14/01/2017 às 22h38min - Atualizada em 27/01/2017 às 23h24min

Primeira-dama no Piauí é encontrada morta em casa

AUTOR: Rodrigo Quixabeira

O delegado Danilo Barroso informou que a perícia já coletou material para a realização de exame residuográfico, no início da tarde de hoje (14). O teste visa detectar presença de pólvora no local. Todo o cômodo onde a primeira-dama morreu já foi periciado. 


Ele destacou que a polícia somente poderá informar detalhes sobre o laudo pericial e confirmar a forma como a morte ocorreu ao fim do prazo para a conclusão do inquérito.


"Temos 30 dias para finalizar as investigações, que é quando informaremos o que conseguimos identificar. Antes disso, não temos como dar detalhes do caso", explicou. 


Matéria original


A primeira-dama de Barreiras do Piauí, Crisleyde Sousa, 29 anos, foi encontrada morta dentro da própria residência na noite de sexta-feira (13). A Polícia Civil de Corrente foi acionada e aguarda uma equipe de peritos do Instituto de Criminalística do Piauí que só chegará ao município na tarde deste sábado (14).


A casa onde a mulher morava com o prefeito eleito Maurício Neto Parente Lacerda, conhecido como Mauricinho, permanece fechada. Ele assumiu a gestão da cidade há exatos 14 dias.


Crisleyde Sousa vivia em união estável com o prefeito. A Polícia Civil foi comunicada sobre a morte por volta das 18h de ontem. O corpo ainda permanece no quarto e, após perícia, será trazido para o Instituto Médico Legal de Teresina (IML). 


"O quarto e toda a casa permanecem isolados para que seja realizada a perícia, inclusive, na arma de fogo. Será analisada a forma como o corpo foi encontrado, bem como será feito o exame residuográfico para detectar se há pólvora. Os dados serão coletados e será feito o laudo que atestará a causa da morte ", disse o delegado regional de Corrente, Danilo Barroso. 


Ainda não há a confirmação de quem seria a arma encontrada no quarto. Até o momento, ninguém foi ouvido. 


Fonte: Cidade Verde